11 livros com storytelling surpreendente, segundo os roteiristas da SOAP

Livros podem ajudar a entender como construir uma narrativa envolvente na prática

Treinamento SOAP
24/11/2023
6 min. de leitura
Reading Time: 6 minutes

Desenvolver narrativas envolventes é fundamental para quem quer engajar seus clientes. Mas criar um storytelling surpreendente não é uma tarefa fácil.  

O storytelling se consagrou como uma técnica de narrativa criativa, que engloba a arte de contar, desenvolver e adaptar histórias. 

Muito explorada na literatura e no cinema, a técnica também passou a ser utilizada no mundo dos negócios para diferentes objetivos, que vão desde a venda de produtos e serviços até a apresentação de metas e resultados.  

Atualmente, a técnica de storytelling mais conhecida é a Jornada do Herói, mas essa não é a única. Outras estratégias podem ser usadas, como a Teoria dos 3 atos e a Kishotenketsu

Apesar de não ser um assunto novo, muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre como construir na prática uma narrativa envolvente. A boa notícia é que muito além dos cursos técnicos, o storytelling está presente em diversos produtos de entretenimento que consumimos no dia a dia, como jogos, músicas, filmes e livros. 

Neste artigo, trazemos indicações pelos roteiristas da SOAP de obras literárias com storytelling surpreendente. Quem sabe essas histórias não te inspiram? 

Leia também: Conheça os 7 melhores livros sobre storytelling 

Especialistas da SOAP indicam 11 livros com storytelling surpreendente 

#1. É sempre a hora da nossa morte, de Mariana Salomão Carrara 

Nesta obra, Mariana Salomão Carrara construiu uma narrativa que convida o leitor a encarar diferentes facetas de uma mesma história, contada repetidas vezes de maneiras diferentes, até que se entenda o que é ou não real. 

A protagonista, que também narra a história, compartilha suas memórias com a assistente social do abrigo público para idosos onde reside. No entanto, a personagem — assim como o público — não tem clareza se suas lembranças são reais ou invenções de sua cabeça. 

O destaque da obra fica por conta dos personagens bem desenvolvidos, enredo envolvente, e do diálogo profundo e convincente entre a protagonista e a assistente social. 

#2. O jogo da amarelinha, de Julio Cortázar 

Publicado em 1963, O jogo da amarelinha, de Julio Cortázar, apresenta o relato de amor de Horacio Oliveira, um intelectual argentino exilado em Paris, e Maga, uma uruguaia misteriosa. O grande destaque dessa obra fica para o fato de que é possível ler a história de formas diferentes, se você mudar a ordem de leitura. 

Sua característica majoritária é a experimentação na forma de conduzir a narrativa, transgredindo sua ordem, linha temporal e linguagem utilizada. O romance é único e original, e permite diversas interpretações dos leitores. 

#3. Mate-me por favor, de Gillian McCain e Legs McNeil  

Esse livro traz a essência do storytelling: a arte de contar histórias. Ele resgata o nascimento do que hoje conhecemos como música punk desde a Factory de Andy Warhol até o Max’s Kansas City nos anos 60 e 70, chegando ao Reino Unido nos anos 80.  

Os autores apresentam centenas de entrevistas com todos os personagens originais dessa história, incluindo Iggy Pop, Patti Smith, Dee Dee e Joey Ramone, Debbie Harry, Nico, Wayne Kramer, Danny Fields, Richard Hell e Malcolm McLaren.  

Além disso, Mate-me por favor revive os dias de glória do Velvet Underground, Ramones, MC5, Stooges, New York Dolls, Television e Patti Smith Group e traz uma análise profunda sobre a morte do punk. 

#4. Agosto, de Rubem Fonseca 

Em Agosto, Rubem Fonseca mescla ficção e realidade para dar vida ao romance policial que remonta os dias que antecederam o suicídio de Getúlio Vargas. A narrativa bem construída prende o leitor do início ao fim, de maneira direta, mas envolvente. 

Na obra, o autor Rubem Fonseca utiliza como pano de fundo os turbulentos acontecimentos políticos do Rio de Janeiro em agosto de 1954, durante o governo de Getúlio Vargas.  

O enredo apresenta o comissário de polícia Alberto Mattos, que busca desvendar o misterioso assassinato de um empresário no edifício Deauville. Ao mesmo tempo, um atentado contra o jornalista Carlos Lacerda, um destacado opositor de Vargas, é planejado no Palácio do Catete. 

A trama convida o leitor a testemunhar os eventos e conspirações que moldaram o momento histórico marcado pela morte de Vargas. 

#5. Watchmen, de Alan Moore 

A HQ Watchmen é uma verdadeira aula sobre a Jornada do Herói. A história em quadrinhos aborda temas sérios, com personagens profundos, histórias cruzadas, linhas diferentes, mas tudo isso no contexto dos super-heróis. 

A narrativa se passa em 1985, apresentando os Estados Unidos como uma nação totalitária e isolada do resto do mundo. Mas quando o relógio do fim do mundo começa a marchar para a meia-noite, e a raça humana para um abismo sem-fim, Rorschach, um dos Watchmen que patrulhavam os EUA décadas atrás, junta-se a ex-companheiros do passado em uma desesperada tentativa de salvar a vida de super-heróis e civis. 

#6. O Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna  

Personagens bem construídos, uma história divertida e cheia de reviravoltas são os motivos que fazem de O Auto da Compadecida um dos livros com storytelling surpreendente que compõem esta lista. 

Originalmente uma peça teatral em forma de Auto em três atos, a história mescla elementos famosos do nordeste brasileiro, como a tradição da literatura de cordel, traços do barroco católico brasileiro, além de outros elementos da cultura popular. 

O livro inspirou o filme homônimo, estrelado por Selton Melo e Matheus Nachtergaele. Por muito tempo, a adaptação foi a maior bilheteria do cinema brasileiro.  

#7. Alta fidelidade, de Nick Hornby  

Nesse livro acompanhamos Rob, um homem de 35 anos que acabou de romper com a namorada e começa a repensar todas as esferas de sua vida: relacionamentos (amorosos ou não), estilo de vida, profissão… O personagem recorre às músicas que embalaram sua vida para encarar as próprias dificuldades e passa a descobrir verdades sobre si mesmo.  

O romance fala sobre música e relacionamento, mas também sobre as muitas caras que o sucesso pode ter. Tudo isso em uma linguagem coloquial, além de muitas referências à cultura pop. 

#8. Dom Casmurro, de Machado de Assis 

Nesse clássico da literatura brasileira, o leitor acompanha a história de Bento Santiago, que relembra aspectos da sua vida, desde a infância, até sua história de amor com Capitu.  

Perturbado pelo ciúme, Bentinho conduz o leitor por uma narrativa ambígua acerca do que se tornou uma das maiores polêmicas literárias de todos os tempos: Capitu traiu ou não Bentinho? 

No livro, Machado de Assis conseguiu contar a história sob a perspectiva dos personagens, mas ao mesmo tempo apresentar elementos subjetivos, sem responder diretamente a perguntas e dúvidas do leitor, proporcionando uma experiência imersiva e única para cada um. 

#9. Hamlet, de Shakespeare 

Ainda hoje não é possível afirmar a data específica em que Hamlet foi escrito. Pesquisadores estimam que esse clássico da dramaturgia tenha sido produzido entre 1599 e 1602. 

A história se passa na Dinamarca, no castelo de Elsinor, onde o príncipe Hamlet se vê obrigado a vingar a morte do pai, voltando-se contra o próprio tio. 

Apesar de ser uma leitura árdua, Hamlet ainda é uma das tramas mais influentes da modernidade e até hoje inspira outras obras, como o Rei Leão, da Disney, e O Homem do Norte, do Robert Eggers. 

#10. Drácula, de Bram Stoker 

Esse clássico do terror narra, por meio de fragmentos de cartas, diários e notícias de jornal, a história de humanos lutando para sobreviver às investidas do vampiro Drácula. O livro chama atenção pela narrativa diferenciada e bem construída. 

A obra traduz elementos do folclore romeno e dos povos ciganos para a realidade da Londres vitoriana. A qualidade é tamanha, que mais de 120 anos após sua publicação a história é readaptada. 

#11. Os Miseráveis, de Victor Hugo 

Os Miseráveis também está na lista de livros com storytelling surpreendente. A obra é composta por 1.500 páginas e, ainda assim, consegue prender o leitor na narrativa que traz como personagem central não uma pessoa, mas uma condição social. 

O livro traz para discussão como é estar à margem da sociedade, sendo um espectador comum dos processos históricos. Assim como outras obras da lista, conta com adaptações multimídias de sucesso e é uma das principais peças da Broadway. 

Como aplicar o storytelling no mundo corporativo 

Investir no storytelling é um diferencial competitivo poderoso para quem deseja alcançar objetivos estratégicos para seu negócio. Boas narrativas ampliam a possibilidade de envolver e inspirar sua audiência

Antes de mais nada, é preciso conhecer quem é esse público com o qual você quer se comunicar. Entenda o que os motiva, quais são seus desafios e interesses e como seu produto ou serviço pode atender as necessidades deles. 

Após identificar com quem se comunicar, outro passo importante é entender qual é a mensagem central que você deseja transmitir com a sua história e se ela está alinhada aos objetivos da sua empresa. 

Ao desenvolver sua narrativa, aposte em um enredo envolvente, utilizando elementos que provoquem emoções como empatia, humor, inspiração e admiração. Tudo isso vai ajudar a atrair a atenção da audiência e gerar conexão. Mas não esqueça de sua autenticidade. Não exagere no tom, ao ponto de sua história parecer superficial. 

Um ponto importante a ser considerado é que mesmo com um enredo criativo, os dados e fatos relevantes continuam sendo importantes para sua narrativa e ajudam a dar mais credibilidade à história. 

Por fim, decida como você vai contar sua narrativa. As opções de mídias são diversas: apresentações, vídeos, blogs, redes sociais, entre outras opções. O formato ideal vai depender do contexto, do objetivo da história e do perfil do público. 

Mas o trabalho não para por aí. Depois de compartilhar a história, seja por qual meio for, avalie seu impacto, verificando não só os resultados comerciais, como o envolvimento e feedback do público. 

Assim, você pode coletar insumos para elaborar histórias com um storytelling ainda mais surpreendente em uma oportunidade futura. 

Quer aprender a construir um storytelling surpreendente? A SOAP pode te ajudar! 

No treinamento corporativo SOAP Storytelling, você e sua equipe poderão aprender como engajar sua audiência por meio das suas histórias, independentemente do canal escolhido. Além de técnicas de storytelling para atrair a atenção do seu público.  

Os participantes também descobrirão como criar narrativas emocionantes e que podem ser utilizadas em diferentes contextos corporativos, como campanhas publicitárias, lançamentos de produtos, vídeos, lives e podcasts. 

Confira alguns dos conteúdos abordados: 

  • Histórico do storytelling no mundo e sua importância para a vida social; 
  • Aplicabilidade e UX no universo das histórias; 
  • Panorama: do objetivo à moral da história; 
  • Conquistando a audiência pelas emoções, com base na neurociência; 
  • Métodos diferentes: Atos, Jornada do Herói, Jornada da Heroína e Kishotenketsu; 
  • Semiótica das histórias; 
  • Estruturação de narrativa em diversos contextos de trabalho. 

Quer saber mais detalhes? Entre em contato com um dos nossos especialistas



Posts Relacionados

10 erros de dicção e oratória para não cometer em apresentações

Comunicação
29/02/2024
leia agora

Comunicação interpessoal e intrapessoal: quais são as diferenças?

Comunicação
28/02/2024
leia agora

Endereço

Rua Gomes de Carvalho, 1266 - sala 72
Vila Olímpia - São Paulo | Brasil
(55.11) 4084.4085 [email protected]

No mundo

Portugal
USA
França