Como usar a comunicação para unir times e alcançar resultados?

Gabriel Malat, gerente de produtos da Libbs Farmacêutica, fala sobre a importância da comunicação como ferramenta de engajamento

Treinamento SOAP
03/08/2023
6 min. de leitura
Reading Time: 6 minutes

No mercado de trabalho, em meio a um ambiente competitivo e dinâmico, a comunicação é uma peça-chave para unir times e estabelecer conexões significativas entre as diversas áreas de uma empresa.  

Muitas organizações ainda negligenciam esse aspecto da cultura interna, mas colaboração e união são essenciais para alcançar resultados expressivos e fortalecer o negócio na busca de um objetivo comum.  

Esse foi um dos temas abordados no sétimo episódio do Talk SOAP, o podcast de comunicação e criatividade da SOAP.  

O convidado desse episódio é Gabriel Malat, gerente de produtos na Libbs Farmacêutica, reconhecido por dois anos consecutivos no prêmio “Melhores do Ano” (2021 e 2022). 

Malat, com sua vasta experiência em gerenciamento, destacou a relevância de uma cultura de parceria entre as áreas de uma empresa. Afinal, a colaboração e o alinhamento de metas entre os times são essenciais para alcançar um desempenho sinérgico e consistente.  

“Somos uma área só, acima de cargos e acima de setores, seja Marketing, Vendas, RH (Recursos Humanos), a gente trabalha por um único CNPJ. Então nosso objetivo é comum”, aponta Gabriel Malat, durante o Talk SOAP . 

Um dos principais tópicos da conversa foi a necessidade de quebrar barreiras departamentais e enxergar a organização como um todo, em que a comunicação é o elo que une as diferentes peças do quebra-cabeça corporativo. 

Mas como fazer isso? Como usar a comunicação para unir os times? É o que discutiremos ao longo deste artigo! 

O desafio da parceria entre as áreas 

No ambiente empresarial cada vez mais complexo, a busca pela excelência operacional exige que as diversas áreas de uma organização trabalhem de forma integrada e colaborativa.  

A parceria entre departamentos se mostra não apenas desejável, mas essencial para impulsionar o crescimento sustentável e enfrentar os desafios impostos pelo mercado. Mas promover essa cultura é um caminho repleto de barreiras.  

Um grande exemplo dessa colaboração essencial e desafiadora ocorre entre as áreas de Marketing e Vendas que, muitas vezes, enfrentam ruídos de comunicação no alinhamento de suas funções. Não à toa, muito se escuta que são áreas rivais, embora complementares. 

Mas como diz Gabriel Malat, “o caminho (entre as áreas de uma empresa) precisa ser de parceria. (…) As áreas são fundamentais, elas se complementam e esse olhar integrado, essa parceria, só tende a fazer bem para o negócio.” 

Aqui, a comunicação é a ferramenta para promover essa visão integrada. Uma boa estratégia de comunicação interna possibilita a troca de informações, a compreensão mútua e a identificação de sinergias que beneficiem o negócio como um todo. 

E isso importa porque a integração entre áreas é capaz de potencializar a eficiência operacional, otimizar processos, reduzir redundâncias e agilizar a tomada de decisões, além de fomentar a inovação e a criatividade.  

Afinal, ao unir conhecimentos e perspectivas diversas, as equipes têm a oportunidade de gerar soluções mais abrangentes e adaptadas às necessidades do mercado. 

Unir times também passa por escuta ativa e vulnerabilidade 

Quando se fala em comunicação como ferramenta para unir os times, muitas vezes tendemos a pensar apenas no ato de discursar. Como devo me dirigir aos meus colaboradores? De que maneira comunicar as metas? Como dar feedbacks? 

Mas comunicação não é apenas sobre falar para o outro, é uma troca. Portanto, nesse processo de engajar e unir os setores de uma empresa, a escuta ativa também é uma habilidade essencial, mas muitas vezes subestimada.  

Esse é um dos tópicos levantados por Gabriel Malat no Talk SOAP, que ressalta a necessidade de se aproximar das pessoas e ouvir suas (diversas) vozes para enriquecer a experiência corporativa e ampliar a visão do negócio.  

Muito se fala sobre dar feedback para os colaboradores, mas o quanto os gestores estão abertos a escutar críticas também importa. E Malat chama atenção para o fato de que, “muitas vezes, a crítica surge da falta de escuta atenta.”  

A escuta ativa vai além de apenas ouvir o que é dito; trata-se de estar presente no momento da conversa, demonstrar genuíno interesse e compreensão pelo que está sendo compartilhado.  

Esse é um ato de empatia e cria um ambiente propício para que os colaboradores se sintam valorizados, incentivando-os a compartilhar suas ideias, preocupações e sugestões de forma aberta e honesta.  

Feedbacks como oportunidade de aprendizado

Além disso, abertura para receber feedbacks é um sinal de maturidade profissional e uma demonstração de respeito pelas opiniões dos outros. Em vez de se sentirem ameaçados, os líderes e colaboradores devem encarar as críticas como uma oportunidade valiosa de aprendizado.  

“Quando você se mostra vulnerável, as pessoas encontram em você uma oportunidade de sugerir coisas novas. E, aí, é onde está o sucesso do seu trabalho”, destaca Gabriel.

“Se você tem medo de ouvir uma crítica, você também não vai ouvir uma sugestão boa, não vai ouvir uma opinião que pode ser importante, você vai ficar sempre no seu mundo achando que aquilo que você pensa está certo.”  

A cultura empresarial muitas vezes teme a crítica, visto que ela pode ser percebida como uma ameaça à imagem ou competência de um indivíduo ou equipe. No entanto, encarar as críticas de forma construtiva é um passo fundamental para o sucesso do trabalho.  

É importante enfatizar que o objetivo não é apontar dedos, mas sim encontrar soluções para os desafios enfrentados. Essa mentalidade colaborativa é o que permite que a equipe trabalhe em conjunto para superar obstáculos e alcançar objetivos comuns, os objetivos organizacionais.

Megafone rosa
Feedbacks e críticas devem ser encarados como uma oportunidade para evoluir

A comunicação, como destacado por Gabriel Malat, é a chave para promover essa abordagem de forma eficiente e incentivar a troca aberta e franca de ideias e feedbacks. 

Mostrar-se vulnerável, reconhecendo que todos têm espaço para melhorar, inspira confiança, incentivando o compartilhamento de ideias e sugestões.  

A comunicação eficaz também implica em buscar o equilíbrio entre reconhecer os pontos fortes e celebrar os sucessos, enquanto se compromete, paralelamente, a enfrentar e corrigir as falhas.  

A rotina pode inibir a compreensão do todo 

Malat ressalta ainda que para unir as áreas da empresa é preciso que cada colaborador conheça e compreenda os desafios que os outros enfrentam. 

Para criar essa sinergia, é essencial sair da própria rotina e tentar compreender a parte do outro dentro da organização, especialmente se o que o outro faz tem relação direta com o seu trabalho.  

Voltando ao exemplo das áreas de Marketing e Vendas, em diversos momentos o desalinhamento entre esses dois setores se dá pelo fato de que, nem sempre, quem desenha o planejamento de Marketing entende a realidade do balcão de vendas e vice-versa. 

“Muitas vezes, como você está no escritório, na frente do computador, no ar-condicionado, não está vendo o que está acontecendo no campo”, reflete Gabriel Malat.  

Por isso, o gerente de produtos na Libbs Farmacêutica defende o quão importante é escutar os outros e também se expor ao campo do outro, “sair da sua rotina, vivenciar na prática, entender se o que você idealizou está funcionando.” 

O ambiente do escritório pode distanciar os gestores da realidade enfrentada pelos colaboradores no dia a dia. Ou, pode dificultar que um time compreenda os desafios e necessidades dos outros times.  

Por isso, adotar uma abordagem proativa no sentido de compreender o que o outro faz e precisa, é fundamental. Manter-se conectado com a realidade do negócio permite que os líderes tomem decisões embasadas em informações concretas e evitem decisões baseadas em suposições ou no que é mais confortável. 

E é essa conexão com a realidade do negócio que também permitirá que o gestor adote uma comunicação mais realista e empática com seus colaboradores.  

Confira mais dicas e insights no Talk SOAP  

Gabriel Malat é um dos sete convidados da nova temporada do Talk SOAP. Além de comunicação, o especialista falou sobre seu trabalho como gerente de produtos, valor de marca e de produto, marketing e muito mais.  

Quer escutar a conversa completa? Então acesse no Spotify: 

Ou assista no canal de Youtube da SOAP: 

Nesta temporada, o Talk SOAP reúne sete episódios que abordam assuntos como desenvolvimento profissional, criatividade, diversidade, saúde mental e muito mais. Veja a lista de convidados:  

  • Leny Kyrillos, escritora, fonoaudióloga especialista em voz e colunista na Rádio CBN;  
  • Fernando Kimura, consultor e palestrante internacional especialista em Marketing, Arte, Linguagem e Criatividade;  
  • Genesson Honorato, LinkedIn creator e TEDx Speaker especialista em DE&I, Inovação e Futuro do Trabalho;  
  • Eduardo Adas, sócio-fundador da SOAP, mentor e palestrante especialista em comunicação, liderança e desenvolvimento profissional;  
  • Diego Fonseca, designer, cofundador e podcaster da Vitamínica, especialista em aprendizagem, curadoria e facilitação criativa;  
  • Alessandra Demito, doutora em Psicologia e pesquisadora de saúde mental e trabalho, com foco em Psicodinâmica do Trabalho;  
  • Gabriel Malat, product manager há mais de oito anos no mercado e reconhecido em dois anos consecutivos no Prêmio Melhores do Ano (2021 e 2022) na categoria Gerente de Produto.  

Que tal maratonar os sete episódios? Acesse a playlist completa! 



Posts Relacionados

Comunicação interpessoal e intrapessoal: quais são as diferenças?

Comunicação
28/02/2024
leia agora

5 ferramentas de Inteligência Artificial para criar apresentações e slides

Comunicação
09/02/2024
leia agora

Endereço

Rua Gomes de Carvalho, 1266 - sala 72
Vila Olímpia - São Paulo | Brasil
(55.11) 4084.4085 [email protected]

No mundo

Portugal
USA
França