Comunicação Corporativa

Confira 9 maneiras de lidar com a pressão no trabalho

A pressão no trabalho é um dos principais motivos causadores da baixa produtividade e do desenvolvimento de doenças mentais, como a síndrome de Burnout.

Treinamento SOAP
24/11/2021

A pressão no trabalho é um dos principais motivos causadores da baixa produtividade e do desenvolvimento de doenças mentais, como a síndrome de Burnout. Uma pesquisa revelou que 70% dos diagnósticos em pacientes com essa doença são advindos do trabalho, tanto que ela é classificada como ocupacional.

As causas da pressão no trabalho são variadas — como prazos de entrega curtos, metas profissionais, problemas pessoais (principalmente financeiros), insegurança e cobranças excessivas por parte da liderança.

Com a transformação digital e o aumento da competitividade das empresas, passou a ser considerado normal ver empresários correndo com prazos, pessoas sempre ocupadas trabalhando e infinitas horas extras.

Essa rotina, apesar de estarmos na era tecnológica, é sinônimo de século XIX. Esse é um problema mundial que merece a nossa atenção e pode levar a sérios quadros de depressão, ansiedade e esgotamento profissional.

Outro agravante para essas condições de trabalho foi a pandemia do coronavírus. Grande parte das atividades que antes eram executadas de maneira presencial, passaram a ser remotas. Com isso, muitos trabalhadores passaram a levar serviço para casa, literalmente.

Se você sente que está sobrecarregado e com crises de ansiedade no seu trabalho, este artigo é para você. Acompanhe as 9 maneiras que preparamos para lhe ajudar a lidar com essa pressão excessiva nada saudável. Vamos lá?

1. Organize a sua rotina

Há duas fontes de pressão no trabalho: a externa e a interna. A externa é aquela gerada por cobranças excessivas dos superiores e competitividade entre os colaboradores. Já a interna é aquela que você mesmo desenvolve. Ou seja, aquelas que causamos pela maneira que reagimos ao sermos demasiadamente cobrados.

Então, o primeiro passo para reduzir essa problemática é organizar a sua rotina. O filósofo grego Sócrates, há 2500 anos, alegava ironicamente que gostava de deixar as tarefas para última hora, porque estaria mais velho, logo mais sábio.

Mas, convenhamos, no nosso dia a dia isso não funcionaria. A desorganização, além de prejudicar os prazos e a produtividade, com o tempo vai deixar a sensação de acúmulo de trabalho. Logo, para evitar isso, organize e clareie a sua agenda, assim é possível identificar as prioridades.

Para começar a administrar o tempo, organize tudo o que você precisa fazer na semana. Anote suas tarefas, pois há estudos indicando que o ato de anotar nos faz fixar e, consequentemente, concluir nossos afazeres.

Com o seu tempo organizado e prioridades estabelecidas, organize também o seu local de trabalho. A bagunça, por mais que passe despercebida, pode gerar um estado de estresse ainda maior.

2. Identifique a fonte da pressão no trabalho

Para acabar ou minimizar um problema, é preciso identificar a fonte dele. O mesmo acontece com esse estado de estresse laboral. Você precisa identificar as causas da pressão no trabalho e ver quais são as suas alternativas para ficar mais aliviado na sua vida profissional.

A pressão vem da liderança? Ou você que se cobra demais? É desorganizado e depois recebe cobranças? Está em uma profissão extremamente estressante? Uma maneira de identificar as fontes de pressão é observando os acontecimentos e momentos em que o seu estado emocional é alterado.

Além disso, você pode reservar um tempo, após o trabalho, para refletir sobre os gatilhos e rever a sua vida profissional. Como dizem: “nenhum CNPJ vale um AVC”. Não é à toa que muitas pessoas mudam de profissão.

3. Saiba estabelecer limites e pedir ajuda

Seu chefe pediu para ficar após seu horário? Seu colega de trabalho pediu para cobri-lo só mais um dia? Uma das causas da pressão no trabalho pode ser o excesso de cobranças, mas também o excesso de ajuda aos outros.

Saber trabalhar em equipe é essencial em qualquer organização. Mas, você não precisa se sacrificar para ser bonzinho o tempo todo. Saiba estabelecer limites para que não fique em estado de esgotamento físico e mental.

Além de saber dizer não, é preciso pedir ajuda quando sentir que não conseguirá executar as tarefas estipuladas pelos gestores.

4. Evite levar problemas do trabalho para casa

Estaríamos na obra de Alice no País das Maravilhas se falássemos que você não vai precisar trabalhar após o horário, levar trabalho para casa ou se desligar da sua vida profissional nos finais de semana e feriados. No mundo real, não temos um botão para desligar.

No entanto, reforçamos o que falamos no tópico anterior: precisamos saber impor limites, tanto aos outros quanto para nós mesmos. Entenda que trabalhar nos finais de semana ou depois do expediente não adoece ninguém, desde que essa prática não se transforme em uma constante.

O que é prejudicial para a saúde e para a nossa vida social é a maneira pela qual lidamos com os desafios e frustrações do trabalho. Levar problemas do trabalho para casa pode nos trazer prejuízos com o tempo, se isso virar uma rotina.

O nosso trabalho deve ser encarado como um meio para conquistarmos os nossos sonhos e os da nossa família. Portanto, devemos saber separar os problemas pessoais dos familiares e vice-versa.

Então, se a sua rotina é convencional, onde presta serviço em uma fábrica ou escritório fora do local onde reside, evite levar os problemas para a sua casa. Não deixe que eles atrapalhem o relacionamento com os seus entes queridos, saiba separar as coisas.

5. Faça pausas durante o expediente

Diversos estudos na área da neurociência já comprovaram que o nosso cérebro consegue ficar concentrado somente durante 30 minutos, mas pode chegar até 90 minutos. Após esse período, começamos a perder a concentração, daí as portas ficam abertas para a procrastinação.

Na verdade, essa é a receita perfeita para a pressão no trabalho: falta de foco + procrastinação + sentimento de culpa por não ter produzido + atrasos na entrega = pressão e ansiedade. Sabia que a sua produtividade e o seu descanso podem estar nas pausas que você não faz?

Então, aqui vai mais uma dica: faça pequenas pausas durante o seu expediente. Pelo menos a cada duas ou três horas de trabalho, faça um pequeno intervalo para alongar as costas, os braços e as pernas. Pequenos intervalos de 10 e 15 minutos já são o suficiente para o seu cérebro retomar o fôlego.

6. Seja transparente com a liderança

Sabemos que nem todas as lideranças são acessíveis ao diálogo com os seus colaboradores por se preocuparem apenas com a produção e com os seus resultados financeiros. Assim como também há profissionais com receio de se abrirem sobre a pressão no trabalho e perderem espaço na empresa.

Outro cenário comum é de profissionais com medo de expor problemas com a sua saúde mental, principalmente, por aqueles que estão sendo gerados por pressão no trabalho, e serem taxados de fracos, ou incompetentes por não darem conta de suas tarefas.

Nesses casos, é importante reavaliar a sua vida profissional na empresa. Será que vale a pena estar em uma companhia que não zela e que não cuida da saúde dos seus colaboradores? Certamente, não.

Talvez este seja o momento para repensar as suas prioridades e de sair em busca por novas oportunidades. Saiba que, independentemente do ramo que você trabalhe, sempre haverá empresas que prezam e desenvolvem programas para favorecer o bem-estar e a saúde física e mental dos seus funcionários.

Se a empresa onde você atua tem essa cultura, seja transparente na comunicação com os seus gestores e se abra quando a rotina estiver pesada demais para você. Seja franco ao sentir que o volume de trabalho está prejudicando a sua saúde e produção. Isso não é um ato ou sinal de fraqueza e sim de autoconhecimento pessoal e profissional.

7. Identifique os gatilhos

Os gatilhos são dicas que demonstram se algo está indo bem ou mal. Por exemplo, verifique alguma tarefa ou algum líder na corporação que lhe dá a sensação de pressão no trabalho quando está diante dele.

Outros gatilhos que é preciso estar atento são aqueles que podem provocar doenças, como a Síndrome de Burnout. Muitos de seus sintomas são silenciosos, mas quando sentir cansaço constante, perda de apetite ou irritação com facilidade, converse com os seus gestores sobre a possível pressão no trabalho e procure ajuda médica.

8. Organize o espaço de trabalho

Normalmente, as empresas preparam os postos de trabalho para os seus colaboradores conforme as suas funções. Mas, com a crescente onda do home office, muitas pessoas não preparam os locais onde trabalharão em suas residências.

Portanto, organizar o local de trabalho em casa é uma maneira de criar um ambiente que traga bem-estar durante o expediente. Para isso é necessário ter mesas e cadeiras de escritório, armários para organizar a papelada, além de uma boa iluminação e ventilação. Nas estações do ano mais quentes ou frias os aparelhos de ar-condicionado são muito indicados.

Novamente, recomendamos o diálogo com a liderança da empresa. Saiba que providenciar ferramentas de trabalho para os colaboradores é dever da empresa. Sendo assim, você não tem obrigação de adquirir por conta própria, com seus recursos financeiros, equipamentos para as suas atividades laborais. Use técnicas de persuasão para convencê-los.

9. Equilibre a vida profissional com a pessoal

Um dos preceitos básicos do budismo é a busca do caminho do meio. Essa doutrina filosófica e religiosa preconiza que devemos evitar os extremos em nossa vida. Para isso, é necessário que busquemos o equilíbrio em todas as nossas ações.

Sendo assim, balanceie a vida profissional com a pessoal. Uma complementa a outra, precisamos trabalhar para manter o nosso sustento.

Inteligência emocional: o “x” da questão

A inteligência emocional é a capacidade que devemos desenvolver para lidarmos com as nossas emoções. Trata-se de entender os nossos sentimentos e estados de humor e usá-los ao nosso favor.

Esse é um dos maiores segredos para lidar com as relações interpessoais, construir relacionamentos saudáveis e para sabermos gerenciar os momentos de pressão no trabalho.

A pessoa emocionalmente inteligente sabe os momentos certos de agir, de parar, de descansar e pensar. No entanto, essa não é uma habilidade desenvolvida do dia para a noite. É preciso trabalhar e se policiar em relação às suas emoções.

A pressão no trabalho não é frescura nem sinônimo de que “você não dá conta do recado”. Esse estado de esgotamento é um aviso de que você precisa parar um pouco. 

Para esse problema, além de trabalhar a inteligência emocional, não hesite em buscar ajuda profissional quando os problemas físicos e mentais saírem do controle.

Agora que já sabe como driblar a pressão no trabalho, continue com a gente e conheça os 5 motivos para desenvolver sua inteligência emocional.

Posts Relacionados

Descubra como desenvolver habilidades de comunicação para equipes!

Comunicação
22/11/2021
leia agora

Tipos de liderança: conheça os principais e descubra como aplicá-los!

Comunicação Corporativa
25/10/2021
leia agora

Endereço

Rua Gomes de Carvalho, 1266 - sala 72
Vila Olímpia - São Paulo | Brasil
(55.11) 4084.4085 [email protected]

No mundo

Portugal
USA
França