Qual a diferença entre liderança autocrática, democrática e liberal?

Saiba como os diferentes estilos de liderança influenciam a produtividade e motivação dos colaboradores

Treinamento SOAP
04/08/2023
5 min. de leitura
Reading Time: 5 minutes

No ambiente corporativo, é comum ouvir diferentes discussões sobre liderança. Muitas vezes, utiliza-se a mesma perspectiva para abordar o assunto, mas na prática o tema tem diferentes estilos, como a liderança autocrática, democrática ou liberal. 

Cada estilo de liderança reflete o modo como um gestor influencia, orienta e coordena uma equipe. Essas definições foram idealizadas pelo psicólogo Kurt Lewin, em conjunto com outros pesquisadores da Universidade de Iowa, nos Estados Unidos.  

Lewin é considerado um dos fundadores da psicologia social, que engloba análises relacionadas a temas como aprendizagem e liderança. Essas pesquisas serviram como base para a definição dos estilos de liderança que conhecemos e foram realizadas em 1939.  

Na época, um grupo de pesquisadores liderado pelo psicólogo realizou um experimento para avaliar como crianças em idade escolar lidavam com tomadas de decisão. As crianças foram divididas em três grupos, cada um conduzido por um perfil diferente de líder.  

O objetivo era justamente avaliar como cada grupo se comportaria diante de diferentes estilos de liderança. Até os dias atuais, esse é considerado um marco para o desenvolvimento de pesquisas acerca do assunto. 

Leia também: O que é preciso para se tornar uma liderança humanizada? Entenda! 

Como cada estilo de liderança funciona? 

Conforme já mencionado, a pesquisa inicial identificou três perfis bases de liderança: autocrático, democrático e liberal. Outros estudos, realizados posteriormente, chegaram a mencionar novos estilos, como o situacional e o transacional. 

Mas, na prática, as características encontradas nessas derivações se fundamentam nos três modelos já apontados pelos estudos de Kurt Lewin. Entenda os detalhes de cada: 

Liderança autocrática 

O líder autocrático tem um perfil mais autoritário. É ele quem fixa as diretrizes que devem ser seguidas pelos colaboradores, sem espaço para que outras pessoas participem e contribuam com os processos de decisão da empresa. 

Nesse estilo de liderança, também é o gestor quem controla quais atividades cada um deve desempenhar e costuma assumir uma postura mais rígida em relação aos funcionários. 

Além de não conferir nenhuma autoridade aos colaboradores da equipe, esse líder também não é aberto a sugestões. Outra característica marcante desse profissional é o tom de pessoalidade que ele costuma imprimir em seus elogios ou críticas aos liderados. 

Esse perfil dominante muitas vezes faz com que esse gestor se torne uma pessoa temida pelos demais funcionários. Para as organizações, esse perfil tende a gerar mais gastos, pois o nível de rotatividade dos funcionários costuma ser mais elevado. 

Liderança democrática 

O líder democrático, por sua vez, permite que os colaboradores participem das decisões, guiando-os em direção aos melhores resultados. Mas ainda é ele o responsável pelo veredito final. 

Na prática, o time é quem esboça as ações, enquanto o líder orienta e presta suporte quando necessário.  

Até mesmo a distribuição de tarefas tende a ser feita de maneira coletiva, com cada funcionário tendo a liberdade de escolher não só as atividades que irá desempenhar, como quem serão seus companheiros de trabalho. 

Esse gestor também é reconhecido por seu perfil objetivo, que se baseia em fatos concretos na hora de fazer elogios ou críticas. Além disso, preza por um ambiente amigável e colaborativo, em vez de fomentar a competição.  

Liderança liberal 

Nesse estilo de liderança há pouco ou nenhum controle do líder sobre os demais colaboradores. Basicamente, as decisões são tomadas em grupo com poucas interferências da liderança.  

Na verdade, o gestor só esclarece dúvidas ou emite opiniões quando questionado. Seu papel é agir como um auxiliador. Esse líder tem como principal característica a confiança absoluta em sua equipe, ao mesmo tempo que se mantém disponível para auxiliar em momentos de crise ou conflitos. 

Líder durante uma apresentação para a equipe
Na liderança liberal, a maioria das decisões são tomadas em grupo

O ponto negativo desse estilo é que, com a falta de uma figura com maior autoridade nas decisões, a competitividade dos funcionários pode se tornar um problema, especialmente por conta de conflitos na comunicação entre os colaboradores. 

Qual é o melhor estilo de liderança? 

Os estudos de Kurt Lewin demonstraram que a liderança democrática e participativa era a mais eficaz entre as crianças para conquistar comprometimento e bom relacionamento dentro da equipe.  

O estilo democrático favorece a colaboração, fazendo com que os membros dos grupos busquem se apoiar e valorizar a opinião dos outros no processo de tomada de decisão. 

Alguns estudos posteriores apontam, no entanto, que embora a liderança autocrática possa ser a mais competitiva e desafiadora, ainda é a que mais entrega melhores resultados para a organização, principalmente em relação aos prazos. Não à toa, esse é o estilo que predomina na maioria das empresas. 

Em contrapartida, esses resultados reforçam que a liderança democrática é a que mais mantém as equipes motivadas e aptas a entregar projetos mais criativos e inovadores.  

Enquanto isso, na liderança liberal pode haver falta de processo no desenvolvimento de ideias, considerando a menor participação do líder. 

Essas análises não necessariamente determinam se um estilo de liderança é ou não melhor que outro. Tudo depende do contexto. 

Em algumas empresas, a figura de um líder com perfil mais autoritário pode ser importante para manter a consistência das entregas e garantir os melhores resultados que um projeto pode alcançar. 

Mas se pensarmos em uma empresa cujas entregas demandam mais criatividade dos colaboradores, por exemplo, garantir que eles se sintam mais motivados e engajados pode ser um fator mais prioritário na hora de definir qual o perfil de liderança mais adequado a se adotar. 

Quando a empresa pode contar com uma equipe altamente qualificada e com um bom relacionamento, é possível até mesmo investir em uma liderança liberal, apesar dos pontos de atenção relacionados a esse estilo. 

Por que é importante adaptar o estilo de liderança às necessidades do negócio? 

De acordo com a pesquisa “CEO Fórum”, realizada pela Câmara Americana de Comércio, AMCHAM, 71% dos CEOs acreditam que devem repensar seu estilo de liderança. A pandemia de Covid-19 foi um dos principais motivos para essa mudança de pensamento.  

Com o trabalho remoto, muitos líderes passaram a observar que uma liderança baseada em comando e controle não é mais tão eficiente para monitorar os funcionários. Ao contrário, um estilo de gestão colaborativo pode ser mais vantajoso. 

Na mesma pesquisa, 24% dos executivos reconheceram, ainda, que a liderança pelo exemplo é essencial para manter o engajamento e a produtividade no ambiente de trabalho. Em seguida, foi citado o trabalho colaborativo, com 21%. 

Adequar o estilo de liderança às necessidades de cada negócio, levando em conta sua cultura, normas, crenças, valores, objetivos e desafios, é importante para que o líder tenha a capacidade de direcionar a equipe da melhor maneira possível para obtenção dos resultados necessários. 

Um gestor deve saber lidar com as necessidades de sua equipe, reconhecendo as diferenças entre cada um e adaptando seu estilo para atender as necessidades específicas das pessoas e extrair o que cada um pode oferecer de melhor para a equipe. 

Outro aspecto a considerar é entender qual estilo de liderança mais combina com o perfil da equipe e qual é a melhor maneira de conduzi-los para que se sintam motivados e engajados com as atividades que precisam desempenhar. 

Também vale levar em consideração o perfil e a personalidade do líder em si. Para isso, o profissional deve aprofundar o autoconhecimento para descobrir qual estilo funciona melhor (ou até mesmo para reposicionar a postura, passando do autocrático para o democrático, por exemplo). Os treinamentos e formações para liderança podem contribuir nesse processo.  

Em resumo, quando a liderança e a equipe mantêm uma relação harmoniosa e têm objetivos alinhados, os profissionais, independentemente de sua função, tendem a ser mais produtivos e assertivos em relação às suas metas. Por consequência, isso ajuda a organização como um todo a superar desafios e garantir resultados satisfatórios.  

Desenvolva suas habilidades de liderança 

Entre todos os desafios que um líder enfrenta no dia a dia, manter o bom relacionamento e fluxo de trabalho na equipe talvez seja o maior desafio. 

No e-book “Líder Engajador”, produzido pelo SOAP em parceria com a especialista Carolina Losicer, você pode entender os desafios dos líderes no engajamento de equipes no contexto atual. 

Também vai se aprofundar na metodologia dos 4 P’s da motivação, que pode ajudar os líderes a compreenderem como facilitar esse processo. 

Mulher segurando um tablet e lendo o e-book Líder Engajador

Outro ponto a se trabalhar é a comunicação. Você sabe se comunicar de maneira assertiva para proporcionar os melhores direcionamentos para sua equipe?  

No curso da SOAP “Fale como um líder”, é possível aprender a influenciar pessoas e apresentar projetos convincentes usando técnicas de storytelling, além de gerenciar emoções, formar e engajar equipes e comunicar-se de forma assertiva.  

Ficou curioso e quer conhecer mais? Clique aqui para conhecer mais detalhes! 



Posts Relacionados

Futuro do trabalho: confira 16 tendências para carreiras em 2024

Comunicação
17/01/2024
leia agora

Comunicação e liderança: como aprimorar essa relação?

Comunicação
15/01/2024
leia agora

Endereço

Rua Gomes de Carvalho, 1266 - sala 72
Vila Olímpia - São Paulo | Brasil
(55.11) 4084.4085 [email protected]

No mundo

Portugal
USA
França