Copywriting: a estratégia para persuadir com palavras

Você quer capturar a atenção das pessoas e vê-las comprando ideias, projetos, produtos e serviços? Sabemos que é difícil se destacar, assim como fazer nossa mensagem chegar ao público certo.

Treinamento SOAP
25/01/2023
5 min. de leitura
Reading Time: 5 minutes

Você quer capturar a atenção das pessoas e vê-las comprando ideias, projetos, produtos e serviços? Sabemos que é difícil se destacar, assim como fazer nossa mensagem chegar ao público certo. Mas uma técnica pode ajudar muito: o Copywriting.

Em um mundo onde a cada dia mais conteúdos são publicados, é fundamental usarmos boas técnicas para conquistar e engajar pessoas. O Copywriting tem esse poder de produzir textos que recebem atenção e vendem.

Confira, a seguir, as melhores práticas para produzir textos incríveis como ferramenta para alcançar os seus objetivos!

Afinal, o que é Copywriting?

Copywriting é um conjunto de práticas para escrever com foco em capturar a atenção do público e direcionar o fluxo de pessoas para uma ação. É bastante utilizada em conteúdos de marketing e vendas, embora não se restrinja a eles. Ademais, usa de técnicas como Storytelling, gatilhos mentais e otimização para mecanismos de busca (SEO).

Você está em contato com essa escrita persuasiva o tempo todo. Alguns exemplos são:

  • roteiro de uma propaganda;
  • slides de um projeto;
  • conteúdo de um blog;
  • redes sociais da sua marca favorita;
  • e-mails que recebemos diariamente.

Ao dominar a técnica, conseguimos produzir textos que não apenas informam, mas capturam atenção e direcionam as pessoas para agir. Isso é feito à medida que entendemos os desejos e necessidades do público-alvo, entregamos um conteúdo que se conecta a essas demandas e realizamos uma proposta de valor que faça sentido.

Para que serve o Copywriting?

Um texto produzido em Copywriting está geralmente associado ao chamado para ação (call to action). Isto é, queremos que o público-alvo dê o próximo passo em uma estratégia.

As habilidades de escrita persuasiva costumam afetar indicadores-chave, como:

  • taxas de clique;
  • permanência em sites;
  • taxa de rejeição;
  • custo de aquisição de clientes;
  • alcance de publicações;
  • taxa de conversão.

As vantagens podem variar conforme o tipo de material e objetivos da produção de conteúdo. Isto é, os resultados não estão restritos ao marketing digital.

Imagine que você tem um projeto. Tanto o texto dos slides quanto a proposta de projeto por escrito terão mais chances de serem aprovados ou comprados por seus destinatários, a partir de uma escrita persuasiva.

O Copywriting é uma prática que ajudará você a alcançar objetivos de carreira. Afinal, a necessidade de escrever para convencer está em toda parte.

Como realizar um bom copy?

O copy é o nome dado ao conteúdo produzido com o objetivo persuasivo. Há diversos gêneros textuais em que esse tipo de prática se aplica:

  • anúncios on-line e off-line;
  • artigos;
  • descrições de produtos;
  • e-books;
  • e-mails;
  • landing pages;
  • propostas de projeto;
  • roteiros.

Por mais que cada gênero textual tenha suas particularidades, algumas recomendações podem ser aplicadas a todos. Veja, a seguir, dicas para produzir um bom conteúdo!

Defina a persona do conteúdo

O conhecimento da audiência é fundamental. Por isso, no Copywriting, representamos o público criando uma personagem semi-realista.

Esse personagem precisa ser tridimensional. Isto é, colocamos no papel suas características, motivações, desejos e necessidades. Veja um exemplo:

“Joana tem 29 anos e acabou de se formar em Direito. Atualmente, a advogada tem uma vida corrida, conciliando o trabalho com os estudos. Porém, está insatisfeita com os dois salários mínimos de remuneração que recebe, assim como as oportunidades profissionais do momento.”

No exemplo, temos uma descrição inicial, que pode ser complementada com os objetivos, dores (sentimentos e emoções negativas causados pela situação), necessidades e desejos da Joana.

Perceba como é mais fácil escrever um texto para um curso de pós-graduação a partir dessa abordagem, por exemplo. Temos informações relevantes, para além da demografia: mulher, entre 26 e 30 anos, renda de até 3 salários-mínimos.

Pense em uma “big idea”

Considerando os objetivos da nossa estratégia e a persona, o passo seguinte é pensar em uma “big idea” para conteúdo. Qual é a mensagem principal que queremos e precisamos passar para a audiência?

A escolha dependerá do estágio de relacionamento do público-alvo conosco. Veja três exemplos com a persona que indicamos anteriormente.

Topo do funil — atração

No topo do funil, a persona ainda não teve contato com o produto, tampouco entende a relação de causa e efeito entre as soluções que oferecemos e seus problemas.

No exemplo anterior, pode ser interessante que a mensagem central identifique a falta de qualificação como causa para a baixa remuneração ou mostrar a diferença de ganhos entre capacitados e não capacitados. Além disso, podemos aprofundar com tipos de qualificação para advogados, entre outros temas.

Meio do funil — consideração

No meio do funil, estão as pessoas que já entendem o problema e o contexto dele. Então, perseguem uma solução que faça sentido.

Aqui, seria o momento de apresentar as vantagens e desvantagens da pós-graduação como ideia central. Além disso, dentre as opções disponíveis, quais delas podem ser mais adequadas para a persona.

Fundo do funil — decisão

No fundo do funil, a persona já quer uma solução do tipo que oferecemos, pois enxerga como ela resolve o problema e vê um bom custo-benefício ao avaliar prós e contras. É o momento de mostrar por que nosso produto é o mais indicado.

No exemplo que criamos, seria o momento de escrever sobre as vantagens competitivas: liderança, preço, qualidade ou foco do produto. Queremos vender a nossa pós-graduação, e nenhuma outra.

Desenhe os argumentos

A ideia central é desenvolvida em argumentos. Há duas direções em que a linha do conteúdo pode seguir:

  • evitar, afastar, impedir que algo de ruim aconteça;
  • alcançar, conquistar, receber algo de bom.

No exemplo, talvez a advogada não deseje ficar para trás dos colegas de turma ou tenha medo de não ter dinheiro para oferecer o melhor para os filhos.

Ou ainda, podemos seguir a linha de que, ao se capacitar, ela pode atuar em um nicho de mercado e ganhar mais dinheiro. O que, certamente, dará uma melhor condição de vida para os filhos no futuro.

Nos argumentos, teremos mais força se anteciparmos objeções e usarmos dados. Imagine que o texto diga que o EAD é uma modalidade de ensino flexível, em que Joana monta seus horários e pode estudar mesmo com uma rotina corrida.

Além disso, informa que os advogados especializados ganham mais que dois salários mínimos, como acontece com os trabalhadores com média salarial acima de R$ 4 mil, segundo o Vagas.com.

Tudo isso deixa o material mais convincente.

Coloque gatilhos mentais no texto

Ao longo do conteúdo, podemos usar gatilhos mentais que vão estimular a pessoa a continuar a leitura e realizar a ação que desejamos. Veja alguns exemplos:

  • escassez — últimas vagas do curso, por exemplo;
  • autoridade — instituição de ensino com nota máxima no Enade;
  • prova social — depoimento de aluno falando sobre os impactos na sua vida;
  • novidade — metodologia de ensino inovadora com as características A, B e C.

Faça o chamado para ação

Ao final do conteúdo, existe um pedido para que a pessoa realize determinada ação. Esse chamado é feito no imperativo e deve conectar-se ao momento da sua estratégia.

Assim, um post no Instagram traz uma indicação para clicar no link da bio, um texto de blog pede que a pessoa continue navegando pelos artigos e um anúncio deseja um clique imediato, por exemplo.

Conte boas histórias

Uma tendência no Copywriting é o Storytelling. Isso porque, mais poderoso que usar o discurso racional, é se conectar com os sentimentos e emoções das pessoas.

Podemos criar narrativas para diferentes propósitos:

  • gerar identificação entre um personagem e o leitor, em relação aos desafios, dores, sentimentos, desejos e necessidades;
  • demonstrar cases de sucesso para fazer a prova social;
  • explicar os problemas que um projeto pretende resolver;
  • contextualizar uma ideia ou situação.

Muitas pessoas enfrentam dificuldades para integrar o Storytelling ao Copywriting. Afinal, precisamos adaptar as narrativas aos diferentes gêneros textuais, públicos, objetivos e estratégias.

Aqui, na SOAP, oferecemos uma capacitação completa com especialistas em comunicação para você dominar as ferramentas de contar boas histórias. O curso Storytelling! traz um kit completo de conhecimentos e habilidades para o Copywriting:

  • organizar e roteirizar ideais para criar narrativas em diferentes gêneros textuais (e-mail, projetos, artigos, e-book, entre outros.);
  • introduzir gatilhos mentais e outras estratégias de neuromarketing para impactar o público;
  • criar argumentos e convencer as pessoas;
  • estudar casos e exemplos práticos do uso do Storytelling.

Sempre que precisamos persuadir, o Copywriting se apresenta como uma metodologia poderosa. A partir do Storytelling, você estará mais preparado para usar a escrita na sua estratégia e alcançar os seus objetivos.

Então, que tal dominar essa ferramenta? Conheça o curso Soap Storytelling! e aprenda a escrever conteúdos persuasivos!

fundo preto com os personagens "Wood e Garfinho" de Toy Story ao fundo e o seguinte texto: "Afinal o que é Storytelling"


Posts Relacionados

Comunicação interpessoal e intrapessoal: quais são as diferenças?

Comunicação
28/02/2024
leia agora

5 ferramentas de Inteligência Artificial para criar apresentações e slides

Comunicação
09/02/2024
leia agora

Endereço

Rua Gomes de Carvalho, 1266 - sala 72
Vila Olímpia - São Paulo | Brasil
(55.11) 4084.4085 [email protected]

No mundo

Portugal
USA
França