Comunicação

Comunicação não-violenta (CNV): entenda como praticar!

A comunicação é um meio fundamental de conexão, sobretudo, no ambiente corporativo onde tudo depende de informação.

Treinamento SOAP
06/10/2021

A comunicação é um meio fundamental de conexão, sobretudo, no ambiente corporativo onde tudo depende de informação. Uma comunicação interna  feita de maneira inadequada pode gerar ruídos, afetar a qualidade das relações e os resultados do negócio.

Talvez você conheça a fundo o conceito da comunicação não-violenta, mas ela traduz o lado de uma comunicação inadequada e o modo como as pessoas se expressam. Portanto, é importante falar sobre o tema e descobrir como fazer abordagens corretas.

Foi pensando nisso que trouxemos neste post as principais características da CNV. Continue lendo para saber o que é, quais são os benefícios e seus reflexos na vida pessoal e profissional das pessoas!

O que é a comunicação não-violenta?

É um método de comunicação que tem como princípio a empatia e a compaixão na forma de interação entre as pessoas. Com ela, o falar e ouvir, tem um sentido humanizado, de coração aberto e disponibilidade para o outro.

A CNV foi criada pelo psicólogo Marshall Rosenberg, nos anos 60, em uma época de forte segregação racial nos Estados Unidos. O termo foi adotado como um recurso pacificador que visava harmonizar e melhorar a convivência entre negros e brancos e assim promover maior integração.

O conceito pode ser aprimorado por técnicas baseadas em competências de linguagem e comunicação. Elas ajudam a reformular como cada pessoa se expressa e incentiva a escuta ativa.

Durante a prática da comunicação não-violenta, em vez de uma conduta repetitiva e automatizada de interação, há um estímulo para que a forma de se comunicar seja mais consciente, com maior sentimento e percepção de tudo que está sendo dito ou ouvido.

A partir da observação de comportamento e aspectos de influência sobre a comunicação é possível estabelecer uma relação de atenção profunda, respeito e empatia em relação ao que o outro diz, independentemente do assunto.

Quais os benefícios desse método de comunicação?

O objetivo essencial da CNV é estimular a postura de compaixão e empatia para fortalecer os laços humanos, o que requer o sentimento de afetividade. Ao exercitar a empatia, as pessoas conseguem se colocar no lugar do outro e respeitar as condições alheias.

Ao desenvolver a prática, os indivíduos inseridos no processo passam a ter um comportamento menos defensivo, o que pode favorecer as relações interpessoais de trabalho e unir pessoas em prol de um mesmo propósito.

Quando a comunicação não-violenta funciona, embora a racionalidade seja necessária em diversos contextos do ambiente profissional, as pessoas permitem ser influenciadas pelas emoções positivas, o que minimiza o risco de conflitos em discussões e debates.

Em muitos casos, as emoções negativas — como raiva, medo e mágoa — condicionam o tom do diálogo levando à violência na comunicação. Com a CNV, as reações podem ser dosadas para produzir um efeito de maior equilíbrio.

Como aplicar na empresa?

A CNV é desenvolvida em 4 ciclos e seguir esses passos, especialmente com a ajuda de uma consultoria especializada, possibilita que o conceito seja entendido e absorvido da maneira adequada!

1. Observação

A observação traz a necessidade essencial de ouvir, para compreender as ações e falas do outro que incomodam ou geram conflitos. É importante apenas observar, sem fazer julgamentos para evitar interpretações equivocadas e reações contrárias ao objetivo do conceito.

2. Sentimento

Depois da observação é preciso se perguntar quais os sentimentos foram despertados e aflorados. É o momento de eliminar os sentimentos negativos e fortalecer os sentimentos como confiança, alegria ou entusiasmo para transformar o próprio comportamento e dar abertura para uma troca saudável, mesmo nos momentos de embates.

3. Necessidade

É fundamental compreender a necessidade que envolve, sobretudo, os sentimentos negativos gerados na observação. Se há um sentimento de raiva ou frustração, quais as necessidades não foram correspondidas para desencadear esse processo?

4. Pedido

Após aplicados os três passos anteriores, será mais fácil argumentar e fazer pedidos claros e objetivos para o entendimento do outro. Nessa fase, a compreensão em progresso permite uma transmissão e recebimento mais efetivo da mensagem.

É importante que esses ciclos sejam aplicados e conduzidos por profissionais com experiência em comunicação e relações humanas para ajudar no processo de identificação dos sentimentos e como transformá-los.

Como a CNV reflete na vida pessoal e profissional?

A comunicação não-violenta requer um exercício diário de observação sem julgamentos, do comportamento e dos sentimentos gerados a partir de determinadas interações. Quanto mais um indivíduo conseguir detectar quais são os fatos geradores, maior a oportunidade de rever os conceitos e melhorar em diversos contextos.

Como dissemos no início, a comunicação assertiva é uma das principais ferramentas do relacionamento. Seja na vida pessoal ou profissional, quem sabe se comunicar com clareza e imparcialidade — mas colocando sentimentos de compaixão e empatia no tom das mensagens — terá um ganho no entendimento e na troca.

Gostou do post? Agora que você já sabe sobre a comunicação não-violenta, siga a gente nas redes sociais para ficar por dentro de mais assuntos relacionados à comunicação. Estamos no Facebook, Instagram, LinkedIn e YouTube!

Posts Relacionados

Comunicação estratégica: descubra sua importância e como adotar!

Comunicação
20/10/2021
leia agora

Confira os 4 estilos de comunicação e suas características!

Comunicação
11/10/2021
leia agora

Endereço

Rua Gomes de Carvalho, 1266 - sala 72
Vila Olímpia - São Paulo | Brasil
(55.11) 4084.4085 [email protected]

No mundo

Portugal
USA
França